sábado, 25 de maio de 2013

Como começou a educação no Brasil?



O ensino no Brasil passou por diversas mudanças e se passou muitos anos após a descoberta do Brasil para que houvesse alguma preocupação com relação à educação de crianças brasileiras. A afirmativa de André Burguière:

”[...] o futuro da história, o enriquecimento de seu saber não estão do lado das fontes inexploradas que ainda dormem no fundo dos arquivos, mas na capacidade praticamente infinita dos historiadores de interrogá-las”.
“Ou seja, está na capacidade de “saber olhar para bem registrar” a garantia do sucesso das ações realizadas pelo indivíduo, o que implica estar consciente do que se está iniciando, que, nesta etapa, são as memórias da educação escolar brasileira” BURGUIÈRE, A.

Explica que a história da nossa educação não se baseia apenas em livros ou registros deixados pelas sociedades passadas, mas também pela persistência de estudiosos em observar o que já foi construído nesse processo e que existe pelo esforço de se buscar entendimento nos fatos ocorridos através de discussões que agregam o saber que está além do descrito nas páginas pesquisadas, mas ver e entender o que está por trás do que já foi dito.
Mary Del Priore, historiadora com doutorado em História Social e pós-doutorado em História da América do Brasil, define em seu texto A infância como Construção Histórica – Séc XVI, XVII e XVIII que:

“A escola não vai  ter apoio no século XVIII e menos ainda no século XIX, em que a escola passa a ser sinônimo de uma escola de elite”. PRIORE, M.

O que nos remete a pensar que as dificuldades em se priorizar educação é um problema que atinge o país há muitos séculos e que a precariedade e a ausência de educação é um dos maiores desafios do país atualmente e quem sabe se não pelo modo como se iniciou.
A necessidade de se criar escolas, com o objetivo de educar crianças e catequizá-las, foi um dos principais papeis desempenhados pelos Jesuítas que fundavam escolas a cada igreja construída. O trabalho que não se baseava apenas nos índios, mas também com crianças abandonadas em Portugal, trazidas para o Brasil, recebiam educação e eram chamadas de “meninos língua”, por terem a facilidade de se comunicar com as crianças indígenas através da língua Tupi.
O ensino catequista dos jesuítas foi baseado na escola conservadora européia e tudo aqui era transmitido com seguindo à agenda educacional da Europa, com estudo de latim, clássicos e religião.
Com a reforma protestante no século XVI, a igreja católica enfrentou uma de suas maiores crises social e econômica, sob a liderança de Martinho Lutero que apoiado pela burguesia conseguiu enfraquecer o poder da Igreja. Em resposta a esse movimento surgiu a Contrarreforma, fortalecendo o poder do catolicismo através da supremacia do Papa e formação de padres em novos seminários depois do Concílio de Trento (1545-1563), dando força também para Inquisição, principalmente em Portugal e Espanha.
Como o Brasil foi colonizado por Portugal nesse período, os Jesuítas foram os responsáveis em desencadear o ideal da contrarreforma, fortalecendo a igreja católica e impedindo a propagação da religião protestante durante o período Brasil-colônia.
E por um período de 210 anos, a educação brasileira foi pautada no ensino jesuíta com a catequese de índios, filhos dos colonos e formando também novos sacerdotes e a elite intelectual, tendo o controle da moral e da fé dos primeiros habitantes.
Dentro desses anos, a catequese precisou adaptar-se as estruturas de ensino existentes, para que fosse possível atingir o objetivo e apesar da formação rígida dos jesuítas foi necessário por parte desses catequistas aprenderem a língua indígena e conhecer melhor a cultura aqui encontrada, tendo inclusive que “conquistar” a permissão dos chefes de tribos e do pajé, para executarem o ensino com as crianças indígenas, tendo como recursos a criação de uma gramática tupi, teatro, música, poesia e diálogos em verso, na tentativa de convertê-los a religião cristã e aos costumes da Europa, dominando índios e colonos aos interesses de Portugal.
Assim a catequese Jesuíta preparou os primeiros trabalhadores do Brasil, para os interesses da Igreja Católica e domínio político da Coroa Portuguesa, sendo úteis no desenvolvimento da Colônia. 
A primeira instituição de ensino criada no Brasil foi fundada no litoral a partir do ano de 1550 com a construção do Colégio dos Meninos de Jesus, onde sete meninos órfãos foram trazidos para aqui estudar e só em 1934 tivemos as primeiras universidades em São Paulo e Brasília!





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário